Fatos Picantes Sobre Ruivos, por uma expert ruiva (Parte 2)

Jessica Rabbit. Fonte: “Who Framed Roger Rabbit”, de Robert Zemeckis

A cor vermelha realmente faz seus batimentos cardíacos acelerarem.

Ambos os estereótipos – a raposa ruiva e a leoa faminta por sexo – podem estar ligados a um fato verdadeiramente científico relacionado à cor vermelha. Há uma razão pela qual batons vermelhos são tão populares, o vestido desta cor é frequentemente descrito como sexy e poderoso, e certamente há um motivo pelo qual o lugar mais pervertido do apartamento de Christian Grey é o notório “Quarto Vermelho”.
“Há evidência de que a cor vermelha faz com que seus batimentos cardíacos acelerem,” diz La Rosa. É por isso que as cores em roupas hospitalares têm tons mais frios, por exemplo. Este efeito no batimento cardíaco tem sido extrapolado para um efeito “fogoso” generalizado que, por sua vez, tem sido redirecionado aos ruivos. Claro, o cabelo de ruivos naturais raramente é “vermelho” como num batom e pende mais para diferentes tons de laranja. Uma aparência realmente vermelha teria alguém com queimadura de sol, ou um Inglês loiro, bêbado e muito bravo – mas pouquíssimas pessoas prefeririam achar isso sexy ao invés das nossas madeixas ruivas.

Ruivos são as marmotas dos humanos. Fonte: Focus Features

Ruivos realmente sentem temperaturas frias e quentes mais do que outras pessoas.

“Nós somos as marmotas dos humanos,” brinca La rosa, “porque conseguimos dizer num instante se vai esfriar ou se o tempo parece estar esquentando”. Pesquisadores da Universidade de Louisville descobriram que o gene ruivo (MC1R) pode causar uma hiperatividade do gene responsável por detectar a temperatura. De novo, isso pode ter influenciado os estereótipos sexuais citados anteriormente, mas somente se você curte cubos de gelo ou brincadeiras com cera quente – e, sejamos honestos, quem nunca?

Curtindo o papo? Fique atento que ainda temos 6 curiosidades apimentadas pela frente…

(Por Gustavo Turner. Traduzido, adaptado e aprovado pela também ruiva Nathalya Godoy. Para conferir o texto original clique AQUI)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *